27/10

Tag : Barra da Tijuca

Briga pelo título na etapa carioca do Brasil Surf Pro

Tomas Hermes é o líder do ranking e o surfistas mais verde do campeonato até o momento


Em seus 25 anos de história, o circuito nacional de surfe acumula lindos duelos, histórias de superação e brigas acirradas pelo lugar mais alto do pódio. E o Brasil Surf Pro de 2011 não fica para trás. Na quarta etapa do Circuito Brasileiro, que será realizada de 2 a 6 de novembro no tradicional pico do posto 4 da Praia da Barra da Tijuca, no Rio – que recebeu a etapa do campeonato mundial em maio deste ano – a disputa pela liderança tem tudo para ficar ainda mais emocionante. Em primeiro lugar no ranking, o catarinense Tomas Hermes leva uma certa vantagem sobre os concorrentes, mas o baiano Bruno Galini, o cearense Messias Felix e o experiente paulista Odirley Coutinho, que acumula três vice-campeonatos do circuito, prometem não dar moleza ao líder.

No feminino, a paraibana Diana Cristina pode garantir o título antecipado da competição. Desde a etapa carioca do ano passado, Tininha não perdeu sequer uma bateria e está a 600 pontos da segunda colocada, a catarinense Juliana Quint. A temporada foi aberta na Praia do Cupe, em Pernambuco, passou por Búzios, no litoral fluminense, e contou com ótimo nível de surfe na Praia de Itamambuca, em Ubatuba, São Paulo.

Na etapa paulista, as ondas contribuíram e permitiram o show dos surfistas, embolando ainda mais o ranking masculino e fazendo despontar novos nomes na disputa pelo título. O ubatubense Odirley Coutinho, de 31 anos, conquistou o primeiro lugar e, se no começo do ano parecia ser um coadjuvante no campeonato, agora vem para a briga do título brasileiro.

“Conquistei o vice-brasileiro em 2001, 2004 e 2006. Agora vou trabalhar pelo título de campeão”, comemorou o surfista após a vitória no litoral paulista.

Mesmo eliminado nas quartas-de-final em Ubatuba, Tomas Hermes manteve a liderança do circuito, com 2.110 pontos. O catarinense começou a disputa com uma nota 8,17 logo em sua primeira onda, mas perdeu a invencibilidade, que já vinha desde o ano passado, para o cearense Messias Felix. Foi a terceira onda acima de oito de Hermes em Ubatuba e a sétima na temporada, que lhe dá a liderança também na briga pelo título de surfista mais verde do ano.

Campeonato Verde

A praia da Barra não será o único palco da quarta etapa do Brasil Surf Pro. O campeonato mais verde do mundo não deixa de lado seu compromisso com a sustentabilidade e trará melhorias para a região, com o replantio de mudas de mangue e restinga na Lagoa de Marapendi, e, mais ainda, para a consciência ambiental da população, com atividades voltadas para escolas e projetos sociais.

Na plataforma Petrobras Surf pelas Florestas, montada no posto 4, visitantes e atletas poderão se informar sobre o ecossistema local com instalações interativas, distribuição de sementes e mudas de árvores nativas da Mata Atlântica em homenagem ao Ano Internacional das Florestas.

No projeto “surfistas verdes”, cada onda com pontuação a partir de oito proporciona o plantio de cinco árvores. Para a nota máxima, dez vezes mais árvores, somando 50 novas fontes de vida para o planeta. A estimativa é que os “surfistas verdes” sejam responsáveis pelo plantio de 500 mudas até o final do evento.

Confira como ficou o ranking depois da etapa de Ubatuba

Masculino

1 |  2110 | Tomas Hermes | SC

2 | 1760 | Bruno Galini | BA

3 | 1730 | Messias Felix | CE

4 | 1680 | Odirley Coutinho | SP

5 | 1640 | Flavio Nakagima | SP

6 | 1610 | Marcio Farney | CE

7 | 1530 | Alan Jones | RN

7 | 1530 | Jano Belo | PB

9 | 1510 | Hizunome Bettero | SP

9 | 1510 | Tânio Barreto | AL

Feminino

1 | 2860 | Diana Cristina | PB

2 | 2200 | Juliana Quint | SC

3 | 1960 | Gabriela Leite | SC

4 | 1950 | Suelen Naraisa | SP

5 | 1860 | Tita Tavares | CE

6 | 1790 | Luana Coutinho | SP

6 | 1790 | Gabriela Teixeira | RJ

8 | 1720 | Bruna Queiroz | SP

9 | 1610 | Monik Santos | PE

10 | 1560 | Tais de Almeida | RJ

Compartilhe:

26/10

Tag : Barra da Tijuca

Briga pelo título na etapa carioca do Brasil Surf Pro

IV etapa da competição será realizada na praia da Barra da Tijuca, de 2 a 6 de novembro, com ações ecológicas na Lagoa de Marapendi e muita conscientização ambiental


Chegou a vez do Rio de Janeiro receber a nata do surf brasileiro. A IV etapa do Brasil Surf Pro na Barra da Tijuca tem data certa, de 2 a 6 de novembro, mas a cidade continuará sentindo os bons fluidos da competição por muitos anos. Já conhecido como o campeonato mais verde do mundo, o BSP trará melhorias para o local, com o replantio de mudas de mangue e restinga na Lagoa de Marapendi, e, mais ainda, para a consciência ambiental da população, com atividades voltadas para escolas e projetos sociais.

As ações ambientais, no entanto, estão longe da limitação pontual. O campeonato como um todo tem como foco a sustentabilidade. A começar pela plataforma Petrobras Surf pelas Florestas. Montada no local da prova, ao lado do posto 4 da praia da Barra, a plataforma trará informações sobre o ecossistema, instalações interativas, distribuição de sementes e homenagem ao Ano Internacional das Florestas, com distribuição de mudas de árvores nativas da Mata Atlântica.

Antes mesmo das ondas locais se tornarem o palco principal dos surfistas, os carioquinhas irão mergulhar no Meio Ambiente do Parque Municipal Marapendi. Na terça-feira, dia 1º, escolas e projetos sociais farão uma excursão para conhecer o ecossistema da floresta com palestra, gincanas e caminhada pelas trilhas do parque.

No primeiro dia de competição, quarta-feira, crianças e jovens do Favela Surf Clube, Rocinha Surf Escola, Cades (Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento do Surfe) e O´Surfe poderão assistir baterias entre os melhores atletas do Brasil e ainda participar das atividades educativas do projeto ambiental Petrobras Surfe Pelas Florestas.

Na parte da tarde, professores de surfe das escolas da Acaes (Associação Carioca das Escolas de Surfe) farão um curso de capacitação em pedagogia e gestão ambiental, conhecimento importante para ser posto em prática durante as aulas nas escolinhas de surfe. No final do curso, que será ministrado por feras do assunto como o coordenador do Surf pelas Florestas, Glenn Suba, a coordenadora da pedagogia ambiental, Bruna Nazarri, e o especialista em sustentabilidade e aquecimento global Roberto Vamos, as crianças receberão um certificado. O presidente da Feserj (Federação de Surfe do Estado do Rio de Janeiro) e gestor do Parque Marapendi, Abílio Fernandes, também participa da aula para a meninada.

O gerente de sustentabilidade do Brasil Surf Pro, Glenn Suba, falou sobre a importância das ações ambientais no Rio para tentar reverter problemas antigos de poluição da cidade.

“Os desafios ambientais no Rio são enormes. Talvez o principal seja o lançamento de esgoto sem tratamento na Baia da Guanabara, via emissários submarinos, e nas lagoas da Barra. Há tempos essa é uma questão recorrente nos debates sobre a cidade, mas ainda faltam investimentos nessa área. Fizermos um passeio de stand up pela linda Lagoa de Marapendi do Novo Leblon ao Barra Mares e vimos pelo menos dez pontos de lançamento de esgoto. O desenvolvimento da Barra não pode continuar desalinhado com os princípios de sustentabilidade e vamos chamar atenção para isso durante o cronograma das atividades do Surfe Pelas Florestas”, ressalta Glenn.

O Brasil Surf Pro também levará, nos outros dias do campeonato, escolas municipais e crianças de vilas olímpicas de comunidades do Rio à praia da Barra. Os surfistas não ficam de fora das ações. Além de inspirar futuros atletas a praticar o esporte, o seu desempenho nas ondas reflete diretamente na quantidade de árvores plantadas pelo Brasil Surf Pro. No projeto “surfistas verdes”, cada onda dropada com pontuação a partir de oito proporciona o plantio de cinco árvores. Para a nota máxima, dez vezes mais árvores, somando 50 novas fontes de vida para o planeta.

A estimativa é que os “surfistas verdes” sejam responsáveis pelo plantio de 500 mudas até o final do evento. Na primeira etapa da competição, no Cupe, foram 20 ondas no critério excelente, o que resultou no plantio de 100 árvores. Até o momento, mais de 200 mudas já foram plantadas pelos “surfistas verdes”, e mais de 400 pelo projeto. Tomas Hermes, campeão de duas etapas do Brasil Surf Pro, lidera o ranking verde.

A carboneutralização é outra novidade da competição deste ano. Todas as emissões de CO2 do campeonato e de seus participantes serão calculados e neutralizados com o plantio de um número correspondente de árvores no corredor ecológico Tinguá-Bocaina, também no Rio de Janeiro.

O programa Petrobras Surf Pelas Florestas conta com apoio do Ministério do Meio Ambiente que entendeu a importância do trabalho de sensibilização durante o Ano Internacional das Florestas (declarado pela ONU).

Agenda ambiental

Terça-feira | 1/11 – Excursão de escolas para Parque Municipal da Marapendi

Quarta-feira | 2/11 – Excursão dos projetos sociais de surfe para o campeonato e Curso de Capacitação em Pedagogia Ambiental para Instrutores de Surfe

Quinta-feira| 3/11 – Excursão das escolas municipais para o campeonato

Sexta-feira| 4/11 – Excursão de Vilas Olímpicas para o campeonato

Sábado | 5/11 – Bateria de Tag Team com os Projetos Sociais de Surf

Domingo | 6/11 – Mutirão de Limpeza da praia e atividades com Adapt Surfe – surfe para portadores de necessidades especiais

Compartilhe:

07/12

Tag : Barra da Tijuca

Briga pelo título na etapa carioca do Brasil Surf Pro

Surfistas já estão escalados e Raoni Monteiro é a atração da quarta-feira após vitória no Havaí.

A previsão das ondas é ótima para esta semana na Barra da Tijuca, onde amanhã começa a grande final do Brasil Surf Pro 2010 no Rio de Janeiro (RJ). Os oitenta surfistas, de doze estados do país, já estão escalados e praticamente todas as baterias da categoria masculina, desde a fase inicial, são decisivas para algum competidor. Enquanto a briga do título brasileiro só esquenta com a entrada dos cabeças de chave na terceira fase, a batalha por vagas para permanecer na elite do surfe nacional começa logo na quarta-feira, primeiro dia da competição na capital carioca. Nove surfistas têm chances de serem o campeão brasileiro da temporada e 34 vão lutar pelas dez últimas vagas no grupo dos 30 que serão mantidos na Divisão Principal do Circuito Brasileiro para o ano que vem.

Raoni Monteiro é uma das atrações da decisão do Brasil Surf Pro. Foto: Fabio Minduim

Fora das duas disputas, o carioca Raoni Monteiro será uma das atrações do primeiro dia. Ele vem de uma vitória fantástica em Sunset Beach, onde confirmou seu retorno para a elite mundial do ASP Tour. Igualou um feito até então único do paraibano Fábio Gouveia em 1991, primeiro brasileiro que teve seu nome registrado no troféu da tradicional World Cup of Surfing no Havaí. Raoni estreia na quarta bateria, junto com o niteroiense Bruno Santos, o catarinense Diego Rosa e o carioca Igor Morais.

Como voltou para o grupo dos melhores surfistas do mundo, Raoni não poderá participar do Circuito Brasileiro no ano que vem. Já Bruno Santos, que também conseguiu um feito histórico para o Brasil ao vencer o ASP World Tour do Tahiti nas temidas ondas de Teahupoo, é o único que precisa de um ótimo resultado para permanecer na elite nacional. Diego Rosa confirma sua vaga só com a participação na Barra da Tijuca e Igor Morais é o 11.o na lista dos 15 indicados pela Divisão de Acesso do Brasileiro.

Compartilhe:

01/12

Tag : Barra da Tijuca

Briga pelo título na etapa carioca do Brasil Surf Pro

Nove deles vão brigar pelo título máximo do surfe brasileiro na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

A Associação Brasileira de Surf Profissional – ABRASP – confirmou os oitenta participantes da decisão do Brasil Surf Pro 2010, nos próximos dias 8 a 12 na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Nove deles vão chegar na capital carioca com chances matemáticas de conquistar o título máximo do surfe nacional, na etapa que fecha a temporada mais rica da história do Circuito Brasileiro. O catarinense Jean da Silva lidera o ranking e os principais adversários são o potiguar Alan Jhones e o baiano Bruno Galini. Para os outros seis concorrentes, só interessa a vitória no Rio de Janeiro, além de dependerem dos resultados dos três primeiros na classificação das quatro etapas. No feminino, Suelen Naraisa já é bicampeã.

Jean da Silva pode quebrar o tabu de nenhum catarinense ter conquistado o título máximo do surfe nacional

Como em toda a temporada, São Paulo também terá o maior pelotão estadual na Barra da Tijuca, com Hizunomê Bettero e Heitor Pereira fazendo parte da lista dos que a única chance é vencer. Os paulistas são maioria nas duas categorias, com doze na masculina e cinco na feminina. O Rio de Janeiro tem quatro convidados para esta etapa e ficou só com um a menos em cada, tanto de homens como de mulheres. Um dos convidados é o bicampeão brasileiro Leonardo Neves, que está na briga do título, assim como um dos cariocas da elite do BSP, Pedro Henrique, ambos precisando da vitória na Barra.

Também com um de diferença em cada categoria, Santa Catarina apresenta o terceiro maior número de competidores na grande final da Divisão Principal do Circuito Brasileiro. Toda expectativa é para o líder Jean da Silva, que pode quebrar o tabu de nenhum catarinense ter conquistado o título máximo do surfe nacional. Com ele, serão dez catarinenses competindo na Barra da Tijuca no masculino e três meninas, contra onze surfistas e quatro do Rio de Janeiro no feminino e doze e cinco paulistas, respectivamente.

O Ceará terá nove no masculino, com Felipe Martins e Isaias Silva confirmando seus nomes no G-10 do ranking de acesso no último domingo em Fortaleza, na decisão do Circuito Nordestino. Felipe já participou do Brasil Surf Pro 2010 junto com os oito cearenses da elite, mas para o jovem Isaias é a primeira vez entre as estrelas do surfe brasileiro. Quem também vai estrear neste ano é Tita Tavares. A tetracampeã brasileira foi convidada para substituir a paranaense Nathalie Martins nesta etapa.

Serão doze estados representados. Depois de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Ceará, vem a Bahia com sete atletas, Pernambuco com cinco, incluindo Patrick Tamberg, de Fernando de Noronha, seguido pelo Rio Grande do Norte (4 surfistas), Paraiba (3), Paraná (2), Rio Grande do Sul (2), Alagoas (1) e o Espirito Santo (1), de Krystian Kymmerson, que encabeça a lista dos 10 do ranking de acesso.

Compartilhe:

POSTS

Nas Ondas
Seletiva Petrobras de Surfe Masculino
Circuito Petrobras de Surfe Feminino
Petrobras Longboard Classic
Brasil Surf Pro
Circuito Petrobras

ÁLBUM

TAGCLOUD